14 de set de 2012

Aromacologia




Aromacologia® é um termo criado para descrever o conceito desenvolvido para o estudo das inter-relações entre psicologia e tecnologia de fragrâncias. A marca AROMA-CHOLOGY® foi registrada em 1989, pelo Sense of Smell Institute, formalmente conhecido como Fundação para Pesquisa do Olfato. A Aromacologia trabalha ativando determinadas áreas do sistema límbico e do hipotálamo, que controlam a maioria das funções vegetativas e endócrinas do corpo.
            A Aromacologia foca alcançar os efeitos positivos causados pelos aromas em todo organismo, nas emoções e no humor, para trazer bem-estar e melhorar a qualidade de vida humana. Em paralelo, o tratamento terapêutico realizado através do emprego dos óleos essenciais deve sempre ser conduzido e orientado por um médico ou terapeuta especialista, que avalia e acompanha o quadro de cada paciente, analisando-o dentro de uma abrangente visão, levando em consideração os aspectos físicos, mentais e emocionais de cada indivíduo.
A indústria da perfumaria e cosmética vem a trabalhando cada vez mais com o conceito da Aromacologia, com o objetivo de desenvolver estudos e pesquisas para acompanhar os efeitos das fragrâncias sobre o comportamento humano.

Como os aromas nos influenciam?


Os nervos olfativos terminam numa região do cérebro que não usa o mesmo tipo de lógica dos nossos centros do intelecto. Embora os odores formem um tipo de sistema de comunicação, não podem constituir uma linguagem, pois funcionam por associações e imagens e não são analíticos. Esta área é chamada de sistema límbico.
            O sistema límbico envolve uma área do nosso cérebro relacionada com a nossa memória e os instintos mais primários de sobrevivência que herdamos do reino animal como: fome, sede, sexo, defesa.


Os cheiros agem justamente nesta área, estimulando reações comportamentais positivas ou negativas, podendo com isso auxiliar a trabalhar traumas, distúrbios de personalidade e alterações comportamentais.
            


Cada pessoa reage aos aromas de uma maneira diferente. A qualificação que damos ao cheiro depende de questões sociais, gostos pessoais, experiências relacionadas com os cheiros, o tipo de alimentação que temos e hábitos de vida. Mas existem reações específicas a cada cheiro memorizado e guardado como uma carga genética e que trazemos como herança de nosso processo evolutivo da natureza.
            Ao longo de milhares de anos os seres vivos foram evoluindo. Durante este processo evolutivo eles foram retendo memória de experiências vividas não só espiritualmente, mas também em sua carga genética. A maior parte desta informação genética está vinculada no cérebro diretamente ao sistema límbico.
            Portanto cada cheiro, cada som, cada cor e cada toque e expressão facial tem um significado que nós seres humanos não precisamos aprender decifrar, já nascemos sabendo devido a esta carga de informação. Ninguém precisa ensinar a uma criança o que significa sorrir, ou que temos que fazê-lo para expressar alegria. Assim, o som de pássaros tranquilos nos acalma, barulho alto assusta (vemos isso na reação dos cães com fogos de artifício), cheiros de ervas e florestas acalmam, cheiros quentes e picantes estimulam, e assim vai....
            Existem outras relações de memória de cheiro no nosso inconsciente que fogem da nossa carga genética: São os vínculos de cheiro e experiências ao longo da nossa vida. Por exemplo, o cheiro do perfume de uma pessoa que nos marcou muito. Quando sentimos este cheiro, seja na rua ou em um restaurante, vamos sempre lembrar daquela pessoa.

A palavra “essência” foi escolhida pelos antigos alquimistas para designar aquilo que eles acreditavam ser a “alma” ou “essência espiritual” da planta. Eles acreditavam que o óleo essencial destilado fosse uma parte etérea-física desta alma e que concentrasse fortemente a memória e energia daquele ser vegetal. Seria como se fosse possível ter um elemento intermediário entre o plano sutil e o denso, e este elemento seria o cheiro, neste caso das plantas o seu óleo essencial.
            Eles não estavam tão errados. Cada planta ao longo do seu processo evolutivo foi criando e desenvolvendo um cheiro particular, só seu, de acordo com as experiências que ia vivendo. Vemos isso nos quimiotipos (raças químicas dos óleos essenciais). De acordo com o meio ambiente ao seu redor, a planta desenvolve uma química nova em seu corpo que acaba expressando de maneira energética e aromática o que podemos chamar de “espelho da alma”. Bem, os animais e nós seres humanos fazemos isso também. Note isso quando você entra num processo de tensão e o cheiro de seu corpo se altera. Esta relação de mudança de cheiro e estado de espírito é o que denominamos de “espelho da alma” e o cheiro passa assim a ser “reflexo do espírito”.


Você já notou que cada pessoa tem um cheiro? Às vezes falamos: "meu cheiro não bate com o de fulano de tal", "não gosto do cheiro dele", ou "adoro sentir o cheiro dele, ou dela". O que é isso? Nosso estado mental e nossas emoções alteram nosso metabolismo e o cheiro que exalamos muda, assim como acontece com as plantas que sob diferentes tipos de fatores estressantes do meio ambiente, geram diferentes tipos de óleos essenciais (quimiotipos). 
            Isto é um fator importante para ser avaliado para as aplicações terapêuticas dos óleos essenciais. Podemos dizer que se uma planta nasce num ambiente estressante, submetida ao ataque de fungos, lagartas ou cochonilhas, esta planta cria um certo aroma para repelir estas pragas e conseguir salvar sua vida. Assim, quando nós seres humanos estarmos vivendo um tipo de stress semelhante em nossa vida, quando somos atacados pelos nossos pensamentos, devorados pelas nossas preocupações, seja no trabalho ou família, e não conseguimos resistir de forma adequada a isso tudo, está na hora de reaprender a se readaptar, a fazer como a planta fez, criando atitudes e comportamentos que irão afastar estes miasmas mentais que geram doenças. Ao utilizarmos o óleo de uma planta que viveu tal tipo de stress, absorvemos sua energia, seu padrão, entramos em contato direto com a sua “essência” (alma). Assim, reaprendemos de forma sutil, energética, como no uso da homeopatia ou da terapia floral, a reagir de uma outra maneira aos fatores do meio ambiente e a doença deixa de ser uma realidade.      
            O cheiro é um fenômeno social, o qual recebe diferente atenção e valores particulares em culturas diferentes. Os odores formam as bases (inconscientes) das hierarquias das classes sociais. Podem reforçar estruturas sociais ou transgredi-las, unir povos ou dividi-los, fortalecer ou enfraquecer. Também, as diferenças de odores corporais definem relacionamentos e amizades, maridos e esposas.


Os aromas podem interferir na personalidade quando os usamos por tempo prolongado. Eles podem até possibilitar crescimento espiritual, mas isso só é alcançado se fazemos a nossa parte, se nos dispomos a mudanças reais em nossa vida que eles podem estimular a um despertar quando estamos abertos.  







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por participar!
Seu Comentário é muito importante.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails